sexta-feira, março 14, 2008

Navegação

O mar trouxe até mim sua voz de revolta.
Ondas batem na rocha e trazem até mim seu lamento
como que pedindo novo alento.

Parti nas ondas e em alto mar me fiz marinheiro
Hoje ouço o docemente falso cantar das sereias
e, olhos postos nos horizonte parto buscando
porto seguro onde me abrigue de ventos e tempestades

Que me cantem sereias com seu cabelos á brisa
Com vozes doces de mil encantamentos recheadas
Cantem que escutarei e sorrindo
Manterei meu rumo, meu remar
Que o meu destino é quem me aguarda
para no final da jornada em braços que desconheço repousar.
Fazer nova terra novo mar.

2 comentários:

Anónimo disse...

Para navegar, há que manter o lastro em equilibrio, pois que tanto serve para nos ajudar a descansar... como para nos naufragar...

Siala ap Maeve disse...

Que chegues a bom Porto, e que no teu destinho brilhe a Luz da paz ;)
Bjos meus