sábado, setembro 20, 2008

Sonho

Foi no breve instante que nossos olhos se cruzaram,
Que soube a imensa distancia que nos unia.
Não me detive no olhar que meus olhos pediam,
Não soube aceitar a recusa que teus olhos impunham!
E, com isso me reconstrui e destronei,
Deste reino de sangue e carne de que fui parido.
No breve instante em que os meus olhos pediram
O beijo jamais alcançado,
O abraço em que não nos fundimos.
E, assim, acordei estremunhado,
Pelo sonho pela realidade recusado!
Deixo-te pois partir por esse caminho já traçado,
De medos e alegrias marcado.
Aqui me quedarei naquele breve instante,
Em que meus olhos, nos teus, um porto encontraram
Na doce ilusão de uma chegada.
Na penosa certeza da partida!

2 comentários:

sara rosa disse...

Sonho
Sonhei contigo ser amável
que vives em meu coração,
Mas para quê?
Como posso eu pensar que
me olharás com olhar de
amor,amor igual ao que
o meu coração sente por ti
e te anseia.
As lágrimas caem-me no
rosto já marcado,por uma
vida vivida,não se dando
conta que o coração e este
sentimento não teem rugas
Cá dentro há ainda uma
vida por viver.
Que não se concretizará
jamais.
É assim estes anos não
vividos,ficarão
eternamente no cofre do
meu coração,puro,
intocável,sofrido,
entristecido pelo peso
dos anos,chorando lágrimas
de Saudade.

sara rosa disse...

Abençoada a Vida que nos
proporciona ao menos os sonhos,mesmo inconcretizáveis,mas que habitam o nosso coração,é ao mesmo tempo ,sofrimento e realização no nosso espirito,é sinal da centelha de Deus.Adorei este teu sonho,como gosto dos meus.